terça-feira, 18 de setembro de 2018

Dona Joventina

Documentário de Clarisse Kubrusly


Sinopse: O documentário apresenta as polêmicas “biografias” de Dona Joventina, boneca do maracatu Estrela Brilhante. A escultura de madeira escura ficou durante 30 anos (1965-1996) sob a posse da pesquisadora Katarina Real, antes de ser doada ao acervo do Museu do Homem do Nordeste, em Recife. Hoje, existem duas nações de maracatu que se denominam Estrela Brilhante e que de formas distintas reivindicam a posse e a retirada da boneca do museu. Uma nação fica localizada no Alto José do Pinho, na cidade do Recife, e a outra, em Igarassu, antigo município dos arredores da capital. O filme registra a visita das duas nações ao museu, buscando mostrar os sentimentos e os usos dos diferentes sujeitos envolvidos com Dona Joventina e outras bonecas de maracatu.


quinta-feira, 13 de setembro de 2018

3 Poemas de Walt Whitman

Tradução de Adriano Scandolara


[Via: Escamandro]

A um Estranho

Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto, maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.


Às Vezes com Alguém que Amo

Às vezes com alguém que amo, me encho de fúria, pelo medo de extravasar amor sem retorno;
Mas agora penso não haver amor sem retorno – o pagamento é certo, de um jeito ou de outro;
(Eu amei certa pessoa ardentemente, e meu amor não teve retorno;
No entanto, disso escrevi estas canções.)


A Você

Estranho! se, ao passar, você me encontrar e desejar falar comigo, por que não falar comigo?
E por que eu não falaria com você?



sábado, 25 de agosto de 2018

Berlim: Sinfonia de uma Metrópole

Um Filme de Walther Ruttmann


Sinopse: "Berlim: Sinfonia de uma Metrópole" é um dos filmes mais importantes e visionários da história do cinema, verdadeiro marco do cinema de vanguarda documentarista. O filme é um registro da Berlim dos anos 20, da aurora ao anoitecer. A movimentação urbana, a cultura, o lazer, os trabalhadores, as máquinas trabalhando, tudo registrado pelo olho mecânico da câmera, que às vezes ficava oculto entre as pessoas. A composição dos planos proporciona um impressionante espetáculo visual, com ângulos e movimentos que vão compondo uma verdadeira sinfonia gráfica.



sexta-feira, 24 de agosto de 2018

"ainda tens uma saída, entrar no acaso e amar o transitório"

Poema de André Monteiro


tem dias que a gente nem sabe 
abre os olhos, olha a hora e fica ali 
de olhos abertos, olhando pro teto
a gente até muda de lugar, mas o pensamento fica lá tão forte tão forte
que nem o sol dá coragem de sair
é difícil aceitar que já chove
é fácil escolher continuar deitado porque foi dificílimo escolher ficar de pé.
ficar esperar esperar ficar esperar esperar ficar esperar
e bate um negócio dentro
uma vontade de fazer xixi
e a gente levanta e vai até o banheiro já pensando na hora da volta
e a hora volta em pequenos estudos sobre um possível acidente: nem tão mortal que não se possa viver para contá-lo
nem tão escapável que não se possa morrer dentro dele
e a gente tá vivo
e a gente quer continuar vivo
e a gente continua a dizer: ninguém sabe o dia de amanhã
e fica assim porque hoje não será como ontem
e fica assado porque ontem ja passou
- e fica assim, à espera -
e talvez amanhã nem chegue
e talvez a gente nem chegue amanhã mas a gente chegou hoje
e hoje a gente chegou aqui e talvez a gente não saiba como chegar aqui de novo
e tudo bem que seja assim
tudo bem que não se conheçam as voltas do caminho nem o caminho nem como caminhar
quando a gente se encontrar perdida diante da esfinge do tempo,
que olhe para o sol como quem olha para dentro,
que receba o pensamento como quem recebe sementes e entende que, até lá, it's a long long long long long long long way...

quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Anémic Cinéma

Um Filme de Marcel Duchamp, Man Ray e Marc Allégret.


Sinopse: De título anagramático, Anémic Cinéma é um filme dadaísta, mudo e experimental, dirigido pelo artista plástico Marcel Duchamp em 1926, com ajuda de Man Ray e Marc Allégret. Duchamp põe em movimento circunferências rotatórias, nas quais desenhou linhas e círculos concêntricos e excêntricos. Ao girarem, provocam no espectador um efeito hipnótico. Com ênfase nos valores rítmicos e estéticos e desprezo pelas estruturas narrativas convencionais, Duchamp e outros representantes da vanguarda cinematográfica francesa dos anos 20 buscavam um "cinema absoluto", ou "cinema puro". Mas o resultado não agradou ao próprio artista, e esta foi sua única incursão na direção

.

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Casa Vazia

Poema de Alberto da Cunha Melo, In: Meditação Sob os Lajedos.


Poema nenhum, nunca mais,
será um acontecimento:
escrevemos cada vez mais
para um mundo cada vez menos,

para esse público dos ermos
composto apenas de nós mesmos,

uns joões batistas a pregar
para as dobras de suas túnicas
seu deserto particular,

ou cães latindo, noite e dia,
dentro de uma casa vazia.