sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Sem Título V

Poema de Jean Silveira


a tarde também é um abacaxi
dividido em cinco pedaços de Valerie a Týden Divů.
a oferenda da erva sob os olhos de um pássaro 
entre as sete pontas hasteadas de um ferro 
no canto da sala.
suicidas montam andaimes para a construção do devaneio.
um gnomo revela que uma das pernas da mulher
anoitecida na rede de descanso
está do lado de fora da minha cabeça.
assistiremos as peripécias de Pierrô, o palhaço
logo depois do nosso banho na Cascata de Miró, meu amor.
Paulo também guarda um inseto que insiste
em se arremeter impávido contra o real da vidraça.
sou um trombadinha jogando água
e passando flanela no para-brisas limpo de um celta
que não dorme atrás da Sudene.

Nenhum comentário :

Postar um comentário