segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Yamami

Conto de Marcelino Freire in: Contos Negreiros, Editora Record


     E os índios?
                  O que têm os índios?
                  O que você achou dos índios do Brasil?
                  Fodam-se os índios do Brasil. Toquem fogo na floresta. Vão à merda.
                  Que turista é você? E a febre amarela?
                  Só lembro de Yamami.
                  Yamami.
..................Sempre gostei de crianças. Aqui é proibido. Yamami, meu tesouro perdido. Passei por uma cidade chamada Cuiabá, depois Corumbá. Parintins, Parintintis, sei lá. Viajei no barco Barão do Amazonas.
                  Há peixes gigantes?
                  Não, pequenos. 
                  Como pequenos?
                  Minhocas sul-americanas, não enche o saco. 
                  Puta que pariu. O barco na corrente. Manaus é a capital, chegamos. O mercado à boca do rio é um rio de frutas. As maçãs macias. Belíssimas melancias.
                  Não, não trouxe fotografias. 
                  Como não?
                  Não tive tempo.
                  Como não?
                  Fotografar aquela merda é um desperdício.
                  Merda?
..................Fiquei em um hotel em cima do Rio Negro. Vento calorento. Meu sonho era esse, sair da frieza desse meu lugar. Ir ao extremo. 
..................Você chega, estanca seu olhar em volta, seu olhar em cada buraco, estopa, saco. E vê no mercado. Um extenso mercado no centro da cidade. A puta que você vê tem doze anos. Ou menos. Parece. Não cresce. Vive seminua, sujinha e deliciosa, esperando a lotação da balsa. Há tucanos para vender. E corpos.
                  Vivi Yamami lá. 
...................Indiazinha típica de uns 13 anos. As unhas pintadas, descalçadas. Tintas extintas na cara. Coisinha de árvore. A pele vermelha e ardente. Virei um canibal, de repente. Não é tão deliciosa a carne de tamanduá-bandeira
                   E a madeira?
                   O que?
                   Dizem que há muita madeira e borracha.
                   Besteira. Eles não têm nada. 
             Segui o rastro que desce pelo mercado. O mercado é intransitável. Os gritos irritam. Tudo bem. Falam demais, os nativos. São simpáticos. Yamami não saiu do meu juízo. Há outras putinhas no entulho. Você quer ir para Santarém, tem. Se não quer ir, tem. Os barcos a motor. Muita gente já se foi nesse vaivém. Não voltaram mais. Há navegações que afundam com mais de cem.
...................Pisquei para Yamami e saímos. Fiz sinal de fumaça, acendi um cigarro. Yamami, venha comigo. Sou um branco pálido e telepático. Estou de férias, caralho, longe do meu país, infeliz. Yamami, minha meretriz, o meu turismo. 
...................Outras meninas gaiolando os gringos. Também brasileiros vêm e se enroscam na rede. Há cheiro fodido de peixe, morte de passarinhos. 
...................Mora na minha memória aquele umbigo. A mão fininha de Yamami vai e vindo. O vento do rio no mato. Trabalhar o ano inteiro fechado nesse laboratório, isso é vida? Ficar fazendo teste de urina, para quê? Quero ir embora desse meu destino. Não quero morrer no primeiro mundo. Quero morrer no horizonte. Estonteante. Nos esconderijos de Yamami, os seus peitinhos. Pequenininhos. Seus olhos fechando os meus testículos. O mercado verde está longe e feliz. 
...................Minha alegria primitiva, Yamami. O meu sorriso. 
...................E os crocodilos?
...................Morram os crocodilos. 
...................Lá posso colocar Yamami no colo e ninguém me enche o saco. E ninguém fica me policiando. Governo me recriminando. 
...................Dizem que lá tem muita criança na rua. 
...................Nua. 
...................É comum, por todo canto. Dizem que tem menina abandonada em Rondônia, Roraima. No Ceará, em Pernambuco. Vendidas no coração de Rio Branco.
...................Yamami pulando, chupando caroço de manga, me lambuzando. Yamami escorregando pelos galhos, nos cipoais do pântano.
...................Virei amante de Yamami, ao ar livre. Dei dinheiro para Yamami, jóias, espelhos, colares. Fiz Yamami vestir calcinhas coloridas. Minha menina.
...................Você não gostou do Brasil?
...................Yamami veio me deixar no escadós do barco. Ela e algumas amiguinhas. Yamami, Cauã, Jacira, Luanda. O vento acenando as suas pernas. De pavão, na despedida. Penas de arara. O mercado cheirando a merda. A bacia do rio indo embora e me levando.
...................Não gostei do Brasil, caralho. 
...................Yamami não tem nada a ver com o Brasil. O Brasil é São Paulo, uma cidade longe, parecida com esse continente de gelo, Yamami.
...................O meu corpo vazio.

Nenhum comentário :

Postar um comentário